saúde mental

6 dicas para manter a saúde mental em dia

  |  Tempo de leitura: 8 minutos

Na atualidade, muitas pessoas acreditam que a sua saúde mental está em risco. Isso porque encontramos muitos empecilhos e desafios em nosso cotidiano, os quais nem sempre conseguimos resolver facilmente.  

A carga de trabalho e as expectativas profissionais podem pesar sobre nossos ombros. Precisamos ser perfeitos, rápidos, produtivos, coesos, comunicativos o tempo inteiro para satisfazer os requisitos de nossas carreiras.

Para completar o cenário, também precisamos ser presentes, compreensivos, compassivos e amigáveis em nossos círculos sociais. Assim, surge a ansiedade para fazer jus a todos esses critérios.

Além das obrigações rotineiras, há também uma gigantesca carga de informações, muitas vezes conflituosas e desgastantes, dos meios de comunicação. Os noticiários na TV, as redes sociais, os vídeos, os áudios…

Mesmo em casa, após o expediente ou em um dia preguiçoso, não conseguimos descansar a mente completamente.

Ela está sempre trabalhando, absorvendo informação e nos forçando a tirar conclusões sobre assuntos os quais não nos dizem respeito.

Consequentemente, o nosso bem-estar vai sendo afetado até que, um dia, percebemos problemas emocionais que antes não existiam.  

Por que é importante cuidar da saúde mental? 

Quando foi a última vez que você se permitiu ficar em paz, sem se preocupar com o trabalho, problemas familiares ou de relacionamento, e seus afazeres para o dia seguinte?

Por acaso, você já parou, respirou e refletiu sobre como anda sua saúde mental?

Ainda há estigmas na sociedade sobre reservar momentos para cuidar de nós mesmos.

Embora a percepção geral tenha melhorado por conta da popularização de temas como saúde emocional, síndrome de burnout, distúrbios psicológicos, entre outros; as pessoas ou estão ligadas demais às suas obrigações ou não acreditam na seriedade dos transtornos mentais.   

Elas não conseguem se distanciar delas nem dos problemas que as assolam para vê-los de longe, como um observador. Pelo contrário: se identificam com suas perturbações ou as perturbações alheias, se jogando de cabeça nelas. Só depois percebem as consequências negativas dessa atitude impulsiva.

Somos ensinados a sempre persistir, nunca olhar para trás, permanecer fortes diante de desafios. Parece que somente para sobreviver precisamos ser fortalezas impenetráveis, não né?

Respirar fundo em meio ao caos também é importante. Na verdade, é ainda mais importante do que persistência cega. Quando não desaceleramos, danificamos a nossa saúde mental.

As pessoas tendem a não prestar atenção nisso porque mesmo quando cultivamos hábitos danosos conseguimos funcionar por um tempo. É só quando um transtorno psicológico, como a depressão ou ansiedade, aparece que tomam consciência de seus atos.

É na calmaria que conseguimos coletar pensamentos e traçar planos de ação. Quando nos tratamos bem e cuidamos de nós mesmos, podemos ultrapassar qualquer obstáculo.

Nossos relacionamentos são melhores, nossos esforços profissionais são reconhecidos e nos valorizamos como deveríamos.

Porém, ainda não somos ensinados a desacelerar.  

Mas, então, como devo cuidar da saúde mental?

Como devemos resolver nossos problemas? De que maneira devemos nos comportar no trabalho ou diante de grandes expectativas?

Como agir nas redes sociais para não nos sentirmos sobrecarregados com tamanho fluxo de informação? Como aproveitar as coisas boas da vida?

Primeiramente, você não precisa fugir de todos os seus compromissos e obrigações.

Até porque, na maioria dos casos, são etapas essenciais para conquistarmos um objetivo maior. Apesar de estressantes, precisamos passar por elas para progredir. Exatamente por isso que é tão necessário aprendermos a cuidar da nossa saúde mental.

Devemos encontrar uma maneira saudável, manejável e, de preferência, prazerosa para balancear o lado bom e ruim da vida. Essa busca leva tempo e muita tentativa e erro para encontrar a sua fórmula.  

Em seguida, essa fórmula precisa se tornar um hábito. Ela precisa se tornar parte integral de sua lista de afazeres, mas não ser uma obrigação. Senão, fica chato. E ninguém gosta de coisas chatas. Logo, você começará a procurar outras fórmulas para substituí-la.

Dicas para cuidar da saúde mental

Para cuidar de nossa saúde mental, precisamos compreender que não há nada de errado em voltar o olhar para si mesmo de vez em quando.

Nossas mentes e corpos são ferramentas vitais para o nosso funcionamento. Então, é natural cuidar deles para termos uma vida feliz e com mais qualidade.

Quando você estiver imerso naquele projeto longo do trabalho ou em um problema familiar difícil, lembre-se de parar para respirar por alguns instantes. Se quiser dar uma volta para clarear os pensamentos, tudo bem. É possível voltar à pendência mais tarde, quando estiver pronto.

1. Encontre a felicidade além das redes sociais

Sua vida não está toda nas telinhas, mas, sim, na realidade. Abandone as redes sociais por alguns minutos de seu dia para descansar a mente. Não passe horas no Instagram maravilhoso daquela pessoa que você acredita estar muito feliz. Procure encontrar a sua felicidade também.

De acordo com uma pesquisa realizada pela instituição de saúde pública do Reino Unido, Royal Society for Public Health, e do Movimento de Saúde Jovem, o compartilhamento excessivo de fotos no Instagram influencia negativamente a autoimagem, prejudica o sono e aumento o medo de não estar vivendo tudo o que a vida tem para oferecer.

Reserve um tempo em sua agenda semanal para desconectar das redes sociais. Deixe o celular longe, em outro cômodo, e foque em coisas que realmente importam para você.

2. Reflita sobre a sua vida atual

Você tem um sonho e faz de tudo para realizá-lo. Todos os dias, você se esforça, faz sacrifícios e procura ser a melhor pessoa possível para aproveitar aquele sonho.

Por estar muito focado, você não se dá muito bem com frustrações. Você se culpa quando algo dá errado, pois irá tornar a sua jornada mais lenta. Mesmo doente e cansado, você continua firme.

Preservação é uma virtude extraordinária. Quem a domina é capaz de fazer grandes mudanças em sua vida e na dos outros.

Porém, você já parou para pensar que, talvez, não queira realmente aquele sonho?

Muitos dos conflitos das pessoas estão associados a viver uma falsa vida ou deixar a qualidade do seu presente de lado para perseguir o futuro. Quem sabe você não está perseguindo um ideal que, na verdade, não é seu?

Sempre que possível, reflita sobre sua vida. Questione se você está feliz ou se acredita que a felicidade está em outro lugar. Essa auto percepção irá ajudá-lo a tomar decisões que condizem com seus verdadeiros interesses.

3. Faça meditação

A meditação é uma técnica excelente para nos manter presentes, conscientes e calmos sobre pressão.

Devido a sua popularização, já existem meditações para problemas específicos, como ansiedade, pensamentos ruins e falta de prosperidade.

Com a mente quieta e silenciosa, conseguimos administrar as situações cotidianas com coerência. Não trazemos as emoções negativas de uma discussão ou uma fechada no trânsito para nós.

Dormimos melhor. Aprendemos a controlar nossos pensamentos, separando o que é bom e ruim.

Com tranquilidade, podemos realizar atividades multitarefas e permanecer em ambientes estressantes por mais tempo. Tudo isso porque a meditação constrói uma espécie de camada protetora ao redor da nossa mente. Desse modo, não deixamos qualquer coisa passar por lá.  

4. Pratique exercícios com frequência

A prática de exercícios físicos estimula a liberação do hormônio da felicidade – a dopamina – em nosso corpo. Além disso, atividades físicas também podem agir como pequenos períodos de refúgio de nossa vida caótica.

Quando nos exercitamos, nos focamos em nossos movimentos e respiração. Ou acabamos fazendo o movimento errado. Não sobra tempo para pensar nos problemas do dia a dia.

A yoga, por exemplo, é uma atividade física que retoma a atenção para o momento da prática.

5. Consulte um psicólogo 

Em meio ao turbilhão de obrigações, o psicólogo pode nos ajudar a organizar nossas vidas e administrar nossas emoções.

Com o acompanhamento psicológico, descobrimos detalhes sobre nossa personalidade e porque somos do jeito que somos.

Dessa forma, podemos melhorar o nosso desempenho profissional, fortalecer relacionamentos e desenvolver o amor-próprio, entre muitos outros benefícios para a saúde emocional.

Assim que você perceber que algo não está certo, que você não se sente tão bem como antes, procure um profissional para ajudá-lo a encontrar as causas para o seu desconforto. Não hesite, pois é mais fácil fazer um tratamento eficaz logo no início.

6. Seja um pouco egoísta

Pense em você. O que te faz bem? O que te faz mal? Traga para sua vida apenas positividade. Se permita fazer algo que lhe traga felicidade com frequência.

Afaste as pessoas tóxicas, os problemas insolúveis e a preocupação excessiva. Não se sinta mal por se distanciar.

Popularmente, fala-se que cuidar de você é um ato de egoísmo, mas, na real, é um ato de amor.

Apenas você sabe o que é melhor para você mesmo. Se sentir a necessidade de desconectar de tudo e todos, faça isso por algumas horas ou um fim de semana.

Desacelerar não quer dizer ignorar seus problemas e se distrair com atividades mais prazerosas. Isso se chama procrastinação.

Desacelerar é encontrar a melhor maneira possível de lidar com as complicações do cotidiano para não afetar a sua saúde mental e física.

Gostou do artigo? Compartilhe o conteúdo em suas redes sociais e assine nossa newsletter! Semanalmente enviaremos conteúdos novos sobre saúde mental, psicologia, comportamento, sucesso e muito mais!

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.